domingo, 5 de novembro de 2017

O preço da falta de planejamento




NÃO HÁ VITÓRIAS SEM LUTAS















"Estamos tratando cerca de 50 metros cúbicos de água por hora", afirma Sérgio Balduino, vice- prefeito de Parauapebas. Há méritos, mas não há vitorias sem lutas. E podemos afirmar que a ação das lideranças do complexo Tropical junto ao Prefeito Darci Lermen, cuja gestão está a cada dia buscando melhorias para a população, surtiu efeito. E essa gestão, decididamente aglutinando essas lideranças em torno do seu projeto, resolveram encarar esse terrível problema de até hoje obrigar tamanha população a conviver com a falta de água.

O vice-prefeito, sendo o responsável direto pelo abastecimento, promete mais:   "Se tudo correr bem, iniciamos nesta semana o tratamento da agua do novo lago. E isso melhorará significativamente a distribuição de água nos bairros Tropical e Ipiranga", afirma a autoridade, em visita a residência do líder dos moradores, Jonas Conrado. Juntos, ambos saúdam a água tratada a ser entregue nas residências. E sorriem, em harmonia pelo bem comum.


As comunidades não recebiam sequer os caminhões pipa, que agora fazem parte do cenário local. Com Sérgio Balduino à frente, essa ponte estará lançada até que o novo sistema do lago esteja concluído.

Compreendemos que a gestão de uma cidade complexa como Parauapebas tenha milhares de problemas graves a serem resolvidos todos os dias. É dessa compreensão que o agradecimento da comunidade, mesmo sabedora dos seus direitos de cidadãos, ganhem significado ao serem dirigidos a Darci Lermen e a Sergio Balduino e a todos aqueles que se sensibilizaram com o sofrimento dos moradores.
"Enfim fomos lembrados. Torço pra que o serviço continue pelo menos assim", diz Maristela Nunes, moradora que estava de partida do bairro justamente pela falta d’água. E seguem os agradecimentos.

sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Estamos muito atrasados quanto a energia solar



Metrô do DF lança estação que funciona com energia solar
  • 20/10/2017 14h10
  • Brasília








Wendel Sousa*
O Metrô do Distrito Federal (DF) lançou hoje (20) a Estação Solar Guariroba. O projeto é totalmente sustentável e o primeiro com captação de energia solar e na América Latina.

Para alimentar a estação Guariroba, na cidade de Ceilândia, serão utilizados 578 painéis para captação de luz solar (placas fotovoltaicas) com capacidade de gerar 288 mil quilowatts-hora (Kw/h) por ano, o suficiente para suprir 100% do consumo da estação. O excedente de energia gerada também beneficiará o sistema metroviário do DF.

Segundo o presidente do Metrô-DF, Marcelo Dourado, a previsão é de que a companhia consiga economizar cerca de R$ 150 mil ao ano. “A economia financeira será investida na expansão do próprio sistema, buscando sempre implementar em mais estações e tecnologia. Isso é crucial para a mobilidade de Brasília, que não deve ser pensada apenas com a intenção de transportar, mas de ser sustentável”, disse.

Primeira fase
Além da estação Guariroba, a primeira fase do projeto tem mais três plantas de energia solar previstas para serem instaladas até 2019: nas estações Samambaia Sul e Feira, além de uma Usina Solar no Centro Operacional da Companhia, esta com capacidade de gerar 3,5 megawatts (MW).

A expectativa é de que o projeto economize cerca de R$ 1 milhão por mês, graças à captação de energia solar, melhore a infraestrutura da rede metroviária e reduza a tarifa cobrada dos usuários, hoje no valor de R$ 5. “Além da melhoria nas instalações, com a captação da energia solar, futuramente conseguiremos baixar o valor da tarifa”, disse Marcelo Dourado. A conta de energia elétrica do Metrô-DF gira em torno de R$ 4 milhões por mês.

Com a implantação das estações e a usina, ao todo, serão produzidos 5 MW de energia por mês, o equivalente a cerca de 33% da demanda de energia contratada pelo Metrô-DF (15 MW).

De acordo com a assessoria do Metrô-DF, 38 empresas concorreram no processo licitatório. O valor da licitação é de R$ 873,871,00. Os recursos financeiros para a construção da Estação Solar Guariroba fazem parte do projeto de modernização de energia da empresa, com contrato de financiamento entre o Governo de Brasília e o Banco do Brasil. As placas fotovoltaicas têm garantia de eficiência de até 25 anos.
Edição: *Estagiário sob supervisão de Denise Griesinger